Publicado: 12/02/2020Tempo de leitura: 3 min.

Podcast: inovação em bancos digitais

Publicado por

Marketing Franq

Marketing Franq

Conteúdos Especiais

Entrevistamos a gerente comercial e de produtos do banco Sofisa Direto para falar sobre o tema.

O Brasil se tornou o Eldorado das fintechs, em especial dos bancos digitais. Apenas entre os anos de 2017 e 2018, a abertura de negócios com este foco alcançou a marca de 147%. O dado é da pesquisa “A revolução dos bancos digitais em 2020”, promovida pelo boostLAB, hub de negócios do BTG Pactual, em parceria com a consultoria de inovação ACE Cortex. 

Para se manter em evidência no mercado diante de uma concorrência crescente, esses bancos apostam em uma série de inovações. No quinto episódio do nosso podcast convidamos a gerente comercial e de produtos do banco Sofisa Direto, Bruna Cerqueira, para falar sobre o tema.

Na ocasião, ela conversou com nosso VP de Produtos e Parcerias, Felipe Giroleti, e nosso CMO e VP de Tecnologia, Daniel Ferretti, sobre a trajetória do Sofisa Direto, considerado o primeiro banco digital do Brasil e um dos parceiros que disponibiliza seus produtos e serviços em nossa plataforma. Faz parte de uma instituição com mais de 58 anos de história, o Banco Sofisa S.A, um dos mais capitalizados e com melhor avaliação do Brasil. 

Concorrência estimula inovação 


Na ocasião, Bruna avaliou que a concorrência tem seu lado positivo. “Essa concorrência é bacana para incentivar que todo mundo melhore. Melhora todo o ecossistema. Tem algumas coisas que a gente analisa: ‘Chegou depois da gente, e tem alguma coisa que a gente pode melhorar que ele está oferecendo?’ Rapidamente a gente implementa, melhora o nosso processo, a gente troca, altera. Somos um banco vivo”, ressalta Bruna. 

Ela também comentou que o Sofisa Direto tem tido êxito na agilidade do desenvolvimento das soluções. “Todo esse processo, por ser totalmente digital, faz com que a gente tenha uma celeridade grande”.

Felipe Giroletti destacou que o grande diferencial do Sofisa Direto é o posicionamento. “Ao mesmo tempo em que é um banco que tem um foco grande em investimentos, também tem se preocupado em outras experiências para o cliente. Diferente de outros bancos digitais, ele entra no processo sabendo que é burocrático, mas com a tranquilidade de trazer a segurança operacional”.  

"Humano-digitalização"
 

O fator humano é considerado em todas as etapas de desenvolvimento do produto. “A gente tem um valor que é o cliente em primeiro lugar. Qual é a dor do nosso cliente? O que ele precisa? O que a gente pode melhorar? O que a gente pode trazer pra esse nosso cliente? A gente faz o máximo possível para que, digitalmente, ele possa resolver a vida dele”, explicou Bruna. 

Gostou? Quer saber mais sobre o assunto? Ouça o podcast clicando neste link ou inicie no player abaixo. Fica também o convite para que você nos siga pelo Spotify.