Publicado: 14/05/2020Tempo de leitura: 4 min.

Pessoa Física investe mais na Bolsa

Publicado por

Marketing Franq

Marketing Franq

Conteúdos Especiais

Leia essa e outras notícias em nosso Boletim do Dia.

Confira a seguir um resumo das notícias divulgadas hoje em nosso Boletim do Dia.

Aumento de investimentos na Bolsa por parte da Pessoa Física


O brasileiro está aproveitando para investir em ações, de acordo com uma notícia publicada na Folha de São Paulo. Isso acontece por conta das sucessivas baixas da Bolsa de Valores, ocorridas nos últimos meses.

De janeiro a abril deste ano, foram registrados R$ 33 bilhões a mais no mercado acionário, algo em torno de 558 mil CPFs que passaram a investir em ações, como fundos imobiliários e outros fundos de investimento. Hoje, são 2,3 milhões de CPFs registrados no mercado acionário. O número é três vezes maior, se comparado com 2018.

Apenas neste mês, as Pessoas Físicas representam 25% das negociações na B3. O percentual esteve semelhante em 2010, quando a parcela de PFs estava na casa dos 27%.

Relatório Focus do Banco Central


Semanalmente, o Banco Central divulga projeções de mercado por meio do Relatório Focus. O último publicado nesta semana destaca uma projeção de 2,50% até o final do ano. Para 2021, a expectativa é que a Selic esteja em 3,50%.

Outra projeção é do dólar, que pode ficar na casa dos R$ 5,00 até o final do ano. E a inflação em queda, com 1,76%, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Outros índices e um resumo do relatório Focus você pode conferir nesta notícia publicada no site Valor Investe.

Aumento de golpes


A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) alerta para um aumento no número de golpes aplicados contra os consumidores. Entre os meses de fevereiro e março, houve um aumento de 44% nas fraudes, de acordo com informações do jornal Extra.

Os criminosos usam práticas de engenharia social para manipular psicologicamente as pessoas, levando-as a enviarem informações pessoais sensíveis - como dados bancários, senhas, etc. - ou até fazer transferências de dinheiro por meio de links fraudulentos enviados em mensagens de SMS, WhatsApp e e-mail.

Entre os golpes citados pela entidade está o do motoboy. O golpista entra em contato com a vítima, informando que é da central de atendimento do banco. Pergunta sobre compras recentes e diz que seu cartão de crédito foi clonado. Em seguida, informa que um motoboy será enviado até a residência para coletar o cartão. Essa prática, de recolher cartão que não será utilizado por algum motivo, não é feita pelos bancos.

Outro exemplo de golpe foi informado pela Psafe, especializada em segurança digital: segundo levantamento da empresa, mais de 11 milhões de brasileiros clicaram em links falsos sobre o auxílio emergencial disponibilizado pelo Governo Federal.

Confira algumas dicas da Febraban para se proteger contra golpes:

  • Os bancos não pedem nenhuma informação pessoal, bloqueio ou desbloqueio de cartão ou sincronização do token (gerador de senhas) por nenhum meio de contato. Também não enviam ninguém do banco para sua casa ou estabelecimento para checar ou recolher cartões, equipamentos eletrônicos ou documentos;
  • Se receber mensagens, de terceiros ou até de conhecidos, não clique nos links. Antes, acesse o site do banco ou loja informados na mensagem para conferir se a informação recebida procede;
  • baixe aplicativos disponíveis na app store do seu smartphone e cheque se o desenvolvedor tem relação com o banco;
  • Não repasse dados pessoais ou sensíveis para nenhuma pessoa.


Fique ligado nas nossas redes sociais para saber mais informações sobre o mercado financeiro!