[Live] De Ex-bancário a Personal Banker - 9/11 às 19h @FranqOpenbanking
Publicado: 02/06/2020Tempo de leitura: 7 min. - Última atualização: 26/07/2021

Mercado financeiro: 10 vantagens de trabalhar como um agente autônomo

Publicado por

Marketing Franq

Marketing Franq

Conteúdos Especiais

O mercado financeiro está cheio de oportunidades para quem quer se lançar como autônomo. Conheça 10 vantagens desse modelo de trabalho.

Atuar como um agente autônomo tem sido a opção de muitos ex-funcionários de bancos para se manterem ativos no mercado financeiro. Seja por conta da aposentadoria, de uma demissão ou por ambição, a chegada do Open Banking trouxe novas perspectivas a esses profissionais. Afinal, o know how adquirido na experiência em instituições financeiras pode auxiliar muitas pessoas que buscam soluções realmente adequadas para suas finanças.

Por conta disso, os Personal Bankers, profissionais autônomos que atuam na curadoria de produtos financeiros, têm ganhado espaço, especialmente, na vida daqueles que sabem que a chance de errar é muito maior quando se está preso a um único banco.

Neste artigo, listamos 10 vantagens que os profissionais financeiros têm ao atuarem de forma autônoma no mercado. Confira.

10 vantagens de atuar como autônomo no mercado financeiro


É claro que fazer o próprio horário é uma grande vantagem frente àqueles que ainda precisam “bater ponto” no banco de segunda a sexta. Mas os benefícios de trilhar o próprio caminho vão muito além. Veja logo abaixo.

1. Possibilita ampliar seus conhecimentos


Quando se atua em uma empresa, é natural que sejam defendidos os interesses dela, certo? Quem já trabalhou como gerente de relacionamento ou ocupou outra função como bancário, sabe bem que as metas estão intimamente ligadas a determinados produtos. Assim, é natural que eles sejam mais oferecidos aos clientes. Isso faz com que os profissionais também limitem o seu conhecimento apenas às soluções que a instituição dispõe.

Como autônomo, não. O profissional deve estar atualizado das melhores oportunidades de vários parceiros para poder comparar e, então, realizar a indicação ao seu cliente. Além disso, mais que apenas ampliar, atuar como Personal Banker possibilita ao agente colocar em prática muito do know how técnico adquirido na experiência bancária.

2. Contato pessoal com clientes ― mesmo que virtual


Não ter vínculos com uma empresa, realmente, faz toda a diferença. O relacionamento com o cliente é um bom exemplo. Mesmo os gerentes dos bancos têm entraves na hora de se aproximar. Com a liberdade do profissional autônomo, pela qual a satisfação do cliente é o principal objetivo, as relações são mais francas e transparentes.

As restrições impostas pela pandemia de Covid-19, em 2020, mostraram que para que essa proximidade aconteça, o distanciamento físico não é um impeditivo. Com vínculos mais estreitos, cliente e profissional autônomo podem estabelecer a forma de comunicação mais adequada para ambos (quais aplicativos utilizar e horários para os encontros, por exemplo).

3. Conta com o respaldo de fintechs


Os profissionais financeiros que optarem por atuar de maneira autônoma por meio de fintechs, certamente, têm mais segurança na hora de operar. Isso porque essas empresas têm uma estrutura que oferece respaldo jurídico e contábil. Caso você queira saber mais sobre essas empresas, confira o artigo Como fintechs podem ajudar na recolocação no mercado de trabalho?, no qual explicamos detalhadamente o que são e como atuam.

Outra vantagem do autônomo parceiro de uma fintech é usufruir da lista de parceiros da empresa. A Franq, por exemplo, oferece uma vasta gama de opções aos Personal Bankers, sempre os deixando a par dos melhores produtos financeiros disponíveis no mercado, sem vínculo com as instituições.

4. Proporciona liberdade ao autônomo


Impossível falar sobre o trabalho autônomo e não citar as vantagens que este modelo oferece em termos de liberdade. Ao entrar no mercado financeiro como Personal Banker, e não mais como bancário, o profissional pode determinar tópicos importantes para o seu desempenho como as metas que deseja alcançar, modelo e horários de atendimento.

A independência, claro, dá-se também na relação com o cliente. Sem diretrizes de comportamento a seguir, é estabelecida uma conversa franca sobre as finanças do cliente, sem amarras ou tabus.

5. É uma nova opção de carreira


Muitos autônomos atuam como Personal Bankers enquanto buscam por recolocação; outros fazem desta a sua nova profissão. Ex-funcionários de bancos, aposentados, por exemplo, veem na oportunidade de atuarem sozinhos uma chance de se manterem ativos e inteirados do que acontece no mercado financeiro.

6. Você é autoridade


Em uma instituição financeira, aos olhos do consumidor, o bancário é apenas mais um dentre tantos profissionais. Agora, quando atua como um Personal Banker, ele se torna uma autoridade em finanças. Esta posição, claro, é conquistada por meio de um relacionamento franco com o cliente e pela oferta de produtos e soluções que, realmente, façam diferença para ele.

7. Tecnologia como aliada


Com um mundo muito mais digital, o mercado financeiro não poderia ficar de fora. Ao se tornar um agente autônomo, você consegue atender clientes e ter acesso às melhores ofertas dos parceiros a um clique.

8. Mais qualidade de vida


O ritmo de trabalho em uma instituição financeira pode ser bastante intenso. Já para quem atua como Personal Banker, os horários e as demandas ficam sob gestão do empreendedor. Desta forma, é possível conciliar a atuação como curador financeiro com outros afazeres. É o profissional quem determina quando, como e de onde irá trabalhar.

9. Realização profissional


Trabalhar em uma instituição financeira pode ser bem limitador. Como dito anteriormente, o vínculo com os interesses do banco, muitas vezes, impede o profissional de se desenvolver como gostaria. Por outro lado, como empreendedor autônomo, o agente pode explorar e aprimorar suas habilidades, ter liberdade para indicar as soluções financeiras mais adequadas para o cliente e explorar o seu potencial ao máximo.

10. Permite controlar sua vida profissional


Um agente autônomo é, antes de mais nada, um empreendedor. Ao trabalhar no mercado financeiro realizando a curadoria de produtos e soluções, o Personal Banker estabelece uma relação forte com o cliente, colocando-se como uma referência no assunto. Quando há uma marca por trás desta relação, o vínculo do cliente é com a instituição, não com o profissional que o assessora. Desta forma, os curadores são os responsáveis por gerenciar sua própria carteira, decidindo por si só quais as melhores atitudes a tomar.

Como você pôde perceber, atuar de forma autônoma no mercado financeiro é possível e tem muitas vantagens para quem decide empreender. Cadastre-se e seja um Personal Banker na Franq Open Banking.